Pesquisar nesta mnemônica

Translate

Print Friendly Version of this pagePrint Get a PDF version of this webpagePDF

27 de set de 2011

Uma grande série sobre Curitiba 31


A cidade em guerra: é Curitiba e não Bagdá!


Por: Coré-Etuba M. da Luz


Boa tarde a todos.



Nas últimas semanas foram divulgados dados na imprensa que comprovaram o que eu já venho falando há muito tempo:



Curitiba está muito mais violenta que São Paulo, na verdade Curitiba é hoje uma das capitais mais violentas do Brasil.



Eu já sabia disso há eras, pois estudo o assunto por conta própria. Não preciso que 'especialistas' do meio universitário ou da mídia me digam algo que já sei, e os que convivem comigo sabem que isso é verdade, no geral e no caso do aumento da violência em Curitiba em particular. Desculpe ter falado de mim mesmo, vamos voltar ao tópico principal, que é os índices de guerra que nossa cidade atingiu. Só quis ressaltar que com alguns anos de atraso o consciente coletivo enfim reconheceu o que eu já sabia, e lhes relatava, há tempos.


Então vamos lá: em 2010, a Grande Curitiba teve cerca de 1.700 assassinatos. A Grande São Paulo também. O 'detalhe' é que a Grande Curitiba tem 3,0 milhões de habitantes, enquanto a Grande São Paulo tem 20 milhões. É isso mesmo, o mesmo número de assassinatos, mas a população de lá é seis vezes maior. Proporcionalmente, A Grande São Paulo teve um assassinato pra cada 11,7 mil habitantes. Aqui foi de 1 pra cada 1,7 mil. Uma diferença enorme, obviamente. Mando as ligações da Gazeta que tratam disso. O anexo, com mapas e alguns números, também veio daí.


Número de homicídios cresce, mas dá sinal de desaceleração
http://www.gazetadopovo.com.br/vidaecidadania/conteudo.phtml?tl=1&id=1084570&tit=Numero-de-homicidios-cresce-mas-da-sinal-de-desaceleracao

Paraná já é tão violento quanto o Rio de Janeiro
http://www.gazetadopovo.com.br/vidaecidadania/conteudo.phtml?id=1100445&ch=

Curitiba ainda tem taxa maior que São Paulo
http://www.gazetadopovo.com.br/vidaecidadania/conteudo.phtml?tl=1&id=1084573&tit=Curitiba-ainda-tem-taxa-maior-que-Sao-Paulo


Mando esses anexos pra comprovar os números, mas a explicação do 'especialista', como todas as explicações de todos os 'especialistas', pra mim é furada, papo intelectualóide da pior qualidade. Digo, o que ele disse pode até ser verdade, só que ele está ignorando a causa principal, que é a Lei Natural que diz que o orgulho precede a queda. O Universo se processa pela Lei de Ação e Reação, e se os materialistas – esses 'especialistas' com seu vasto e inútil conhecimento puramente intelectual – não reconhecem isso não faz qualquer diferença. O Universo opera por Ação e Reação, quer eles gostem ou não.

E Curitiba é a prova. Voltemos ao tema da violência por aqui, porque esse texto não é pra falar de Ciência Oculta. Só citei porque é fato que a desgraça que se abateu sobre Curitiba é fruto de seu orgulho cego em se crer superior a todas as outras cidades, processo que teve seu ápice nos anos 90. Essa foi a ação. 
E agora saem matérias de jornais em que enfim os fatos estão sendo ditos como são: Curitiba é uma cidade absolutamente violenta. É a reação. 


Nos anos 90, perto do tri-centenário da cidade (1993), a imprensa nacional foi inundada com matérias falsas sobre Curitiba, falando infinitas mentiras sobre como a cidade era diferente das outras. Não era, era tudo propaganda da pior qualidade, mas que os ignorantes, daqui e de fora, abraçaram. E sabe que os ignorantes são maioria da humanidade, e isso independente do estudo formal, acabei de dizer que os doutores e phds pra mim são os mais ignorantes.


Cito de exemplo a matéria da Folha de São Paulo com os resultados do censo de 1991 (o tumulto instalado por Collor fez o censo ser um ano depois que deveria), que saiu no primeiro semestre de 1992: “apenas cinco habitantes separam a Recife-Índia da Curitiba-Bélgica”. Bem, hoje Curitiba é tão violenta quanto Recife, temos índices iraquianos de assassinatos, nada poderia ser mais distante da pacata Bélgica. Ação e Reação, em sua glória e esplendor.

Antes de entrarmos em mais números, quero dizer que esse texto meu não é científico, e nem pretende ser. É empírico. Isso quer dizer o seguinte: estudo há anos a violência urbana, no Brasil e no mundo. Sabem que eu conheço Curitiba inteirinha, todos os seus bairros, todas as suas vilas. E conheço boa parte de outras cidades que Deus já me permitiu pisar também. Então tudo o que vou lhes dizer aqui é verdade. Só que não é científico, no sentido da letra morta e exata que se exige nas faculdades. Vou comparar a violência daqui com a de diversas outras cidades, e nem sempre os números serão do mesmo ano. Mas a conclusão é correta, pois os dados são o mais próximos possíveis, tipo não comparo 2010 com 2000, e sim com no máximo 2009. Mesmo que um ou outro número seja aproximado, o fato é que Curitiba está extremamente violenta, não há como contestar, e é nisso que eu quero me fixar. Dissecando, talvez alguns achem alguns dados que podem ser retificados. Eu não me importo. A tese principal não pode ser retificada, e essa é minha intenção. Feita essa ressalva, vamos lá.

Tudo bem, ia mesmo ficar difícil comparar Curitiba com São Paulo, pois tanto o estado vizinho como principalmente sua capital tiveram reduções impressionantes na taxa de homicídios, como a própria Gazeta aponta, repetindo em nosso país o processo que Nova Iorque passou nos EUA. São Paulo hoje é a segunda capital mais segura do Brasil. Não, você não leu errado. São Paulo é a 26ª capital mais violenta do Brasil hoje, pois no ano passado ocorreram lá cerca de 900 assassinatos, pra uma população de 11,2 milhões de pessoas – todos os dados sobre população que irei citar foram tirados do sítio do IBGE (www.ibge.gov.br).

Temos 27 estados, resultando em 27 capitais. São Paulo, com um assassinato pra cada 12 mil pessoas, é a 26ª mais violenta, ou invertendo o filtro a segunda mais segura, como já disse acima. Em termos de assassinatos de menores de idade, São Paulo é a 27ª, ou seja, a capital onde menos se mata menores em todo o Brasil.Voltando a falar de todos os assassinatos, sejam maiores ou menores as vítimas, Curitiba teve mais ou menos o mesmo número de mortos (860), mas com uma população de 1,7 milhão, o resultado é uma morte pra cada 1,9 mil pessoas. Só idiotas discutem com números.

O problema é que não é só em relação a São Paulo que Curitiba está violenta. O Distrito Federal, com 2,5 milhões de habitantes, teve 730 mortes. Ou seja, com 800 mil habitantes a mais que Curitiba, teve menos assassinatos. Um média de um pra cada 3,4 mil habitantes. E a ironia é que várias pessoas já vieram me falar da violência das gangues das cidades-satélites do DF. Sendo que essas pessoas nunca pisaram lá, em sua maioria, ou seja só podem estar repetindo alguma matéria que saiu na Globo.

Não me entenda mal. Não quero dizer que Brasília não é violenta. É claro que é. Além de eu ler o jornal local pela internet, da última vez que estive lá fui conhecer pessoalmente algumas de suas maiores favelas e periferias, como Ceilândia, Paranoá e Sobradinho 2 (com mais atenção), e Recanto das Emas, Gama e Samambaia (de passagem), entre outras. Sei que as quadrilhas que dominam essas cidades-satélites são violentas e não hesitam em matar. Mas o fato é que Curitiba é muito mais violenta que Brasília, então creio que já estava na hora de se fazer um Globo Repórter mostrando a ação das gangues paranaenses também, pois elas estão matando muito mais que suas congêneres do cerrado candango.

Há ao redor do Distrito Federal, já dentro do estado de Goiás, uma região que seria o equivalente a “Região Metropolitana de Brasília”. É o chamado 'Entorno', cidades que no papel estão em território goiano, mas cuja grande maioria dos habitantes trabalha no Distrito Federal, e depende de Brasília pra tudo: ir ao médico, as compras, etc. Uma região metropolitana de fato, como Tamandaré e Fazenda Rio Grande dependem de Curitiba, só que as regiões-dormitório estão em outro estado. Enfim, o Entorno é uma região extremamente violenta, uma Baixada Fluminense ao redor da capital federal. E mesmo que se adicionem esses números, a Grande Brasília é menos violenta que a Grande Curitiba. Foram registrados 470 assassinatos no Entorno, ou seja somado com o Distrito Federal dá cerca de 1,2 mil. O Entorno tem cerca de 780 mil pessoas, logo a Grande Brasília registrou um assassinato pra cada 2,7 mil habitantes. Aqui na Grande Curitiba esse número é de um morto pra cada 1,7 mil, como já indiquei acima.

Continuemos. Já que falamos do Centro-Oeste, vamos puxar os dados de Goiânia. O município teve 325 assassinatos, e a área metropolitana (núcleo incluído) 508. Sempre de acordo com o IBGE, moram na capital de Goiás 1,3 milhão de seres humanos, mais 600 mil nos subúrbios. Ou seja, houve um assassinato pra cada 4 mil pessoas (no município de Goiânia) ou um pra cada 3,8 mil, incluindo os municípios-dormitórios. Números bem melhores que os daqui, e tanto faz se emparelhamos o município de Curitiba ao de Goiânia ou se incluímos as regiões metropolitanas.

Agora comparemos com o Sul do Brasil. A Grande Curitiba, com suas 1700 mortes violentas, teve mais assassinatos que todo o estado do Rio Grande do Sul, que registrou 1600 o ano passado – o estado inteiro, com seus 10 milhões de habitantes. Nem farei a comparação per capita aqui porque vai ficar cruel. Vamos analisar apenas a parte mais violenta do estado, a Grande Porto Alegre. O município da capital Porto Alegre teve o ano passado cerca de 400 assassinatos, menos da metade de Curitiba, mas sua população é bem mais da metade da daqui, na verdade lá moram 1,4 milhão de pessoas, 300 mil a menos que Curitiba. Ou seja, na capital gaúcha houve um assassinato pra cada 3,5 mil habitantes. A violência lá (que já é alta) é pouco mais da metade da que ocorre aqui.

Se incluirmos as Regiões Metropolitanas, a situação se mantém. Não consegui os números de toda a Grande Porto Alegre o ano passado, só de seus cinco municípios mais violentos: a capital, Alvorada, Canoas, São Leopoldo e Viamão. Mas pode ter certeza que eles refletem a situação geral, até por serem os piores. Outra coisa: no Rio Grande do Sul há o problema (histórico, diria eu) que os números de homicídios divulgados pela polícia civil por vezes não batem com os da polícia militar, que são sempre mais altos. Eu diria que a PM está mais correta, pois ela atende 'in loco' cada uma dessas ocorrências, enquanto a polícia civil depende de outras fontes pra chegar às suas conclusões.

Feitas essas ressalvas (já disse que meu trabalho não é científico no sentido acadêmico do termo), o quadro geral que quero mostrar é esse: Curitiba está muito mais violenta que Porto Alegre, que já não é uma cidade calma sob parâmetro algum. A Grande Porto Alegre teve um homicídio pra cada 3,1 mil habitantes. Aqui, já citei, a média foi de 1,9 mil.

Assim se vê que comparada com as capitais do Sul, Sudeste e Centro-Oeste, Curitiba está perdendo feio. A exceção é Vitória-ES, e talvez o Rio de Janeiro. Vamos agora emparelhar com o Nordeste, que substituiu o Sudeste como região mais violenta do Brasil nessa última década. A Grande Fortaleza, com seu 3,1 milhão de habitantes, teve 1,8 mil assassinatos. Ou seja, mesma proporção da Grande Curitiba.

O mesmo se repete em Salvador, que tem 2,6 milhões no município e também 3,1 milhões na área metropolitana (incluindo núcleo), e apresentou respectivamente perto de 1.600 e 1.900 assassinatos. O que dá uma média de aproximadamente uma morte pra cada 1,6 mil habitantes nos dois casos. Ou seja, é verdade que o município de Curitiba se saiu um pouco melhor que o município de Salvador (1,9 contra 1,6). Mas não há muito mérito nisso. Pois as condições sociais de Salvador são absolutamente pavorosas, são pouquíssimos bairros de classe média cercados por uma massa enorme de miséria, que se empilha nas encostas da capital baiana. O PIB de Curitiba é maior que o de Salvador, mesmo lá tendo 900 mil habitantes a mais. E ao emparelharmos as regiões metropolitanas, há um empate técnico, 1,6 pra cada mil lá e 1,7 aqui. Vergonhoso pra todas que ostentem índices de guerra, mas faça-se o adendo que as capitais nordestinas são infinitamente mais pobres.

Aqui em Curitiba (e em SP, BH, Brasília, Goiânia, Porto Alegre, o Centro-Sul resumindo) a cidade se define da seguinte maneira: uma grande área urbana de classe média – mesmo que seja média baixa – cercada por enormes bolsões de miséria, alguns deles bem próximos ao Centro. Mas a classe média predomina, certamente.

No Norte e Nordeste a situação se inverte. As grandes metrópoles de lá são pequeníssimas ilhas de classe média cercadas cercadas por um oceano de periferia por todos os lados. Curitiba tem 11% da população morando em favelas, porcentagem que com pequenas variações se repete em São Paulo, Belo Horizonte, Florianópolis e Porto Alegre. Em Recife, Fortaleza, Belém, Salvador e Manaus esse número gira em torno de 40 a 50%. Tive a oportunidade de ver 'in loco' a situação na capital amazonense o ano passado, e é o padrão pro outro lado do país.

Ou seja, mesmo com renda e padrão social médio do Sul, Sudeste e Centro-Oeste, Curitiba está apresentando índices nordestinos de violência. O que é vergonhoso. Não vai aqui qualquer conotação de desprezo pelo Nordeste, muito ao contrário. Por lá a miséria ser imensamente maior, é compreensível que a violência também seja. Digo, não deveria existir violência em parte alguma, mas é muito mais difícil pacificar uma cidade em que metade da população vive em favelas que uma outra em que um décimo está nessa situação.

Então se Curitiba apresenta o PIB per capita igual a São Paulo, Belo Horizonte, Brasília, Porto Alegre, etc, mas rivaliza cidades imensamente mais pobres como Salvador e Fortaleza em assassinatos per capita a vergonha é de Curitiba e não do Nordeste.

E se o negócio não amainar logo teremos que comparar não com as capitais da Bahia e do Ceará mas com Bagdá. 


Espero que acordemos a tempo de evitar isso, mas depende do livre-arbítrio da cidade. Como eu iniciei o texto dizendo, o orgulho precede a queda. O resto é ação e reação.
......


Nesse texto comparei Curitiba com outras capitais. No próximo irei analisar como a violência se distribui – de forma desigual obviamente – dentro de nossa cidade.


Que Deus ilumine a todos.
Paz a toda humanidade.
Deus proverá”


Município ou regiãoUm assassinato pra cada ….. mil habitantes
Salvador (só núcleo)1,6
Grande Salvador1,6
Grande Fortaleza1,7
Grande Curitiba1,7
Curitiba (só núcleo)1,9
Grande Brasília2,7
Grande Porto Alegre3,1
Brasília (só núcleo)3,4
Porto Alegre (só núcleo)3,5
Grande Goiânia3,8
Goiânia (só núcleo)4,O
Grande São Paulo11,7
São Paulo (só núcleo)12,4

Gráfico com número de homicídios
em 2010. Fonte:
Gazeta do Povo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

PARE, PENSE, TOQUE E, SE NECESSÁRIO, COMENTE!
Obs: Haverá MODERAÇÃO do seu comentário!