Pesquisar nesta mnemônica

Translate

Print Friendly Version of this pagePrint Get a PDF version of this webpagePDF

10 de fev de 2015

Obrigado Basílio (Wasyl Homenko)


* André Luiz Aguiar

"Levantem-se na presença dos idosos,
honrem os anciãos"
(Levítico 19:32)

"O Senhor vê com pesar a morte de seus fiéis" (Salmos 116:15)


Acabo de receber a notícia de que o meu velhinho e amigo Basílio morreu.

Ele estava muito cansado e vinha sofrendo de muitas dores e de vários problemas de saúde.
Eu já até havia comentado aqui a situação que ele e muitos idosos sofrem neste país e em especial em Curitiba (lei aqui). Mas o objetivo não é este agora.



Quero agradecer pelo exemplo de fé e hombridade que aprendi com ele. 


Nos conhecemos na Igreja Batista da Água Verde, em Curitiba, no início de 2003 quando às sextas-feiras de manhã eu ia participar dos cultos de oração.

Ele, já bem idoso, era um dos primeiros a chegar. E sempre arrumava um jeito de consertar algo. Nunca ficava parado. Sempre alerta e com espírito pronto pra servir. 

Compartilhei algumas vezes minha vida com ele. E aprendi em todas estes momentos com a sua fé e experiência a como viver uma vida em paz.

Uma dessas vezes que ele me ensinou foi no final do ano passado numa determinada situação difícil que eu vivenciava. 

Eu fui ajudá-lo numa encrenca que ele se metera: trocar o chuveiro. 

Mas para o seu Basílio não era qualquer troca, pois pra ele requeria quebrar a parede, consertar o cano, fechar com cimento, rebocar etc...E na hora que cheguei ele me disse: "você foi resposta de oração!" 

Num dado momento, eu fui pra escada substituí-lo (sim, ele com duas bengalas estava consertando e improvisando dependurado na escada). Acabou que ele notou que eu estava bem triste. 

Eu contei para ele o que se passava e eis que ele responde e me ensina:
"Deus proverá, confie!"

Além de eu contar minha vida pra ele e rogar suas intercessões, soube, muitas vezes sobre suas experiências de vida como refugiado da 2ª Guerra Mundial quando saído da Ucrânia com seus familiares. Do seu casamento com a Dulce (Dusia). Do seu reencontro com ela aqui no Brasil. Das dificuldades no Paraná, em Curitiba...  


Certa vez ele me contou como ele havia se impressionado que aqui no Brasil os trabalhadores sempre comiam nos almoços um enorme pedaço de queijo. 
E aquilo deixava ele intrigado, pois ele, como refugiado, não teria dinheiro para comprar queijo.

Até que certa feita descobriu que os seus amigos brasileiros não eram tão ricos assim, pois o tal queijo era na verdade polenta!
E ele ria depois de cada final de frase (rsrs).

Outra vez, contava ele sobre uma carne que eles comiam: "André, os brasileiros comiam uma carne de "suar", era uma carne que fazia você "suar" e eu não entendo como"


Tempos depois ele descobriu que os tais amigos comiam era a carne suan! Enquanto ele me contava este desfecho, dava risada da sua confusão...

Quantas vezes cheguei na sua casa e ele citava uma passagem bíblica em ucraniano ou russo e cantarolava e assobiava hinos! 

Até mesmo na semana retrasada quando fui visitá-lo, ele já bem doente e prostrado, me citou um texto bíblico. E na minha despedida ele me disse: "André, você me perdoa?"

Sim, ele mais velho, pediu perdão para mim. As dores e dificuldades que ele estava sentido acabava deixando-o muito irritado. E ele achava que tinha me tratado um pouco rude e acabou me pedindo perdão.   

Com ele aprendi a falar em ucraniano: calma, paciência e eu te amo!

Fui algumas vezes na casa dele para ajudá-lo nos serviços: corte de grama, limpeza de calhas, pinturas da casa, do chão, consertos de máquinas...etc. Tudo que ele quisesse eu faria. Não porque eu sabia algo, mas porque ele estava disposto a me ensinar a como fazer.


Quantas broncas eu levei dele: "Barbaridade André, como você não sabe fazer isso?"
Mas as tais broncas nunca se encerravam assim, pois em todas as broncas vinha a explicação de como deveria ser feito. "Não sabe fazer? Olha e veja aqui como eu faço"Aprendi muitos macetes com sua experiência.

As histórias são muitas e não caberiam aqui tudo o que ele me ensinou.

Só tenho a agradecer ao meu amigo velho Basílio por tudo que aprendi. Ficará na minha memória: exemplo de fé e amor.


Obrigado Basílio
(chamavam ele de Basílio pois aqui não sabiam falar o nome dele corretamente!)


Wasyl Homenko 20/12/1920 -- 10/02/2015, 95 anos de fé, lutas, vitórias e amor! 


André Luiz Aguiar/
obrigado Basílio pelo
ensino da fé

2 comentários:

  1. Daisi Waculicz11/2/15

    Um amado e querido senhor, sempre sorridente,amigo com sábios conselhos , gostosas risadas. ,palavras doces num portugues truncado,mas uma delícia de ouvir..Vá com Deus ,desfrute de tudo o que o Senhor lhe preparou, ,aproveite a festa no céu!!!

    ResponderExcluir
  2. Um amanhã, outro amanhã e outro amanhã,
    Se arrastam em passos curtos dia após dia
    Até a última sílaba da escrita do tempo.
    E todos os nossos ontens sinalizam aos bobos
    O caminho para o pó da morte.

    Apaga-te! Apaga-te, pequena chama!
    A vida é apenas uma sombra que caminha.
    Um pobre ator que se pavoneia e treme em seu momento no palco
    E desaparece; nunca mais é ouvido.
    É uma história contada por um idiota, cheia de som e fúria,
    Significando nada.

    William Shakespeare - Macbeth, 1607.

    FOTO:

    http://nsae02.casimages.net/img/2015/02/16/150216122946473164.jpg

    ResponderExcluir

PARE, PENSE, TOQUE E, SE NECESSÁRIO, COMENTE!
Obs: Haverá MODERAÇÃO do seu comentário!